sábado, 6 de junho de 2009

A poesia inacabada...

É uma biblioteca de paredes brancas e teto de três faces anguladas. Sentado a uma poltrona, observo através das janelas de vidro o farfalhar das folhas das árvores, à brisa do final de uma tarde azul boreal.

Anseio desesperadamente pelo cair da noite, quando poderei finalmente sair e entregar-me aos anestésicos do álcool e do fumo. Há uma melodia que ressoa em meus ouvidos, de uma cor tão nublada quanto este lento crepúsculo, que me arrasta para fora das vidraças, para as nuvens, e devolve-me prontamente para a surdez do salão povoado.

Enfim, sentado à mesa do botequim, saboreio o torpor ao qual me entrego sem resistência. Ao menos na companhia de um amigo. Nem mesmo os minutos de efêmera alegria apagam da memória a labareda que consome cada fragmento de vida.

A madrugada deita sobre mim sua cortina de silêncio. Agora em meu quarto, a escuridão acalenta-me com mimoso e gelado afago. Ouço novamente a melodia – não, várias delas – e estremeço. Sigo trilhando pela estrada etérea que se revela à minha frente, por onde vagam sombras sem rosto que me guiam até o fim. Agora, um adeus.

7 gota(s) de chuva:

[ rod ] disse...

Madrugada, álcool e fumo... apego-me a eles para enfim ou por certo escrever ilusões.

Abçs,






Novo dogMa:
históRias...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Carol * disse...

Sumi, mas que saudade, estou atrás da medicina nossa de cada dia... mas que saudade casmurro; agora aquii sentindo os anseios da paz pensei em vc...

beijos muita paz... muito tudo muita coisa a toda hora, muito vc dentro de vc.

beeeijos.

Carol * disse...

depois te explico meu sumiço. mas saiba que sumi porque todo dinheiro vale desejo e estudo. abri mã de tudo, pelo meu tudo. e meu tudo vc sabe o que é...

:)

Alex Pitta disse...

Tinha nas sombras a companhia, mas era noite - fábrica das solidões.

Kari disse...

Não me pareceu inacabada...
E quantas vezes nos vemos em um lugar, ansiando por outro...

Lindo poema, moço!
E não vem me dizer que as coisas que tu escreves não são boas...


Beijão

Sophia Anônima disse...

Madrugadas me angustiam, o dia deveria ser todo de sol. Mas sem angústia, não valeria ver a pena nascer o sol, não?



E eu adorei isso aqui, você é bastante profundo. Gosto disso, como devo gostar das madrugadas.

Syn disse...

É bom te ver de volta por aqui Wolf! E não precisava pedir desculpas... =D

Eu tb precisei sumir um tempo, mas por motivos de ocupação (e preocupação) com a faculdade mesmo. Dificuldades já superadas e bola pra frente!

Aliás, excelente texto (como sempre)! Ao que parece essa sensação de angústia logo logo vai reaparecer em mim também, sorte minha eu já estar acostumado...

Abração!

OBS: Ja te add no MSN.