quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

O segundo naufrágio...

Bem, aí está o meu poema favorito. Não é do meu autor favorito, mas é de uma poetisa que também aprecio muito. Fala verdadeiramente do que senti, sinto e talvez ainda sentirei. Bela é a sua profundidade. Resolvi então postar aqui uma análise interpretativa deste poema. Espero que também apreciem. O nome do poema é "Canção", da Cecília Meireles.

Vamos por estrofes, separadamente. São cinco:
"Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
- depois, abri o mar
com as mãos,
para o meu sonho naufragar"

Segundo a Psicologia, os sonhos nascem do inconsciente humano. Para os poetas, o oceano possui valor lúdico: significa profundidade, mistério. Estas características, pois, também se aplicam ao inconsciente, sendo utilizada aí uma metáfora. O eu-lírico então decide esquecer o seu sonho, "empurrando-o" de volta.
"Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre de meus dedos
colore as areias desertas."


Nesta segunda estrofe ela mostra de forma sucinta (por enquanto) que esquecer um sonho causa um grande transtorno, tristeza, angústia. E o detalhe mais importante: Nos dois últimos versos ela mostra que uma pessoa triste e/ou depressiva acaba por afetar aquelas pessoas que estão em volta.

"O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um navio..."


Aqui na terceira estrofe ela mostra claramente o esforço psicológico necessário para esquecer o sonho, enquanto este vai aos poucos sendo levado de volta ao inconsciente, ao esquecimento.

"Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça."


Quarta estrofe. O eu-lírico descreve todo o seu sofrimento e esforço para esquecer o seu sonho. Podemos observar o quanto o processo é lento e doloroso.

"Depois, tudo estará perfeito;
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas."


Por fim, ao concluir seu intento, o seu sofrimento tem fim. Seus olhos agora estão secos como pedras, ou seja, ela acaba de se tornar uma pessoa insensível e amarga. Suas duas mãos quebradas simbolizam a sua incapacidade, sua impotência...

Bem é isso. Assim como este eu-lírico, eu tentei esquecer meu sonho. Estou tentando pela segunda vez, tomando o cuidado de acrescentar um esforço a mais para não sofrer das conseqüências descritas nos dois últimos versos, assim como aconteceu da primeira vez. Meu sonho não é difícil de deduzir, para aqueles que têm acompanhado. Mas para mim, a noite se curvará menos de frio e o vento não soprará se eu esquecê-lo. Será melhor assim. Bem, até a próxima.

6 gota(s) de chuva:

Biaaahhh disse...

Ahhhh!!!Que bom que vc passou aki no meu blog...Vem cá????Será q vc pode me ajudar???Meu blog tah programado pra Português...Mas tah tudo em Inglês!!!!O seu b tah assim???

Kari disse...

Um poema verdadeiramente lindo!

Mas, não sei se consigo esquecer meus sonhos. Eles são tudo pra mim, são eles que me mantem viva e com vontade de seguir em frente, não sei o que seria sem eles.
Eu poderia mudar os rumos das águas, ou os barcos, porém jamais afundaria meus sonhos!

Beijos

carolina; disse...

O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um navio..."



LINDO poema. Cecília era uma pessoa de sentimentos profundos e intensos.
quanto aos seus sonhos, sabe, acho que você deve sonhá-los toda hora que sentir vontade, até cansar! só assim, irá esquece-los.


belo blog. ;* abração!

Biaaahhh disse...

Oiii!!!!!Leia o "atenção" do meu blog!!!

Palavras de um mundo incerto disse...

Bah!

saiba que não consigo sonhar.
Se sonho meus pés saíam do chão e eu caio com o tempo, num mar sem profundeza.
Mas o sonho não foge da gente, mas nós muitas vezes o negamos por ver tamanha diferença ou algo que o atrapalhe na realização.

Não adianto negar que acabei de sonhar.

Com o quê?
Não sei...

Marcos Ster

Ps:Abraço pra ti e bom finde!!
Ps2:Aprendi muito com o "eu-lírico" de cada poesia. Gostei muito, pois cada relida, entendia ainda mais.

César Fernández disse...

Esse blog em breve vai ter recebido vários prêmios.

E eu tenho a honra de ser o primeiro a premiá-lo

Te indiquei a dois prêmios de uma vez, veja lá no meu blog!

Abraço.