quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Colors seem to fade...

Penso que sou um sujeito de sorte. Existem dois bares no condomínio onde moro. Posso facilmente cambalear até em casa. É desnecessário dizer onde estou, presumo. Não chega aos pés do meu cantinho lá no café, mas não há  problema. Não vou me demorar. 

Este tipo de lugar sempre me traz aquela mesma sensação de observar um mundo do qual não participo, como sucedia na loja de conveniência. Há pessoas sentadas às mesas em volta, bem como outros transeuntes descendo a rua, num universo feito de movimentos e silêncio, engalanado pela doce e triste melodia que sussurra em meus ouvidos, como uma brisa marítima. 

Ainda que não haja muito o que dizer, acabo  por me perder em divagações como estas, que tão bem fazem meus leitores perderem tempo. Sou uma vítima do meu único vício salutar. Preciso desesperadamente fazer minhas palavras abraçarem o mundo e alcançarem não sei o quê. Bom, eu sei, sim. 

Sinto uma imensa vontade de dizer aquilo que sinto, contudo, não sei o que é. Talvez o que sinto ainda não tenha sido nominado. Parece não se passar no interior de nenhum coração humano sobre a Terra. Mas eu conheço muito bem. 

É interessante observar como a minha inspiração se torna menos comedida conforme minha percepção termina por ficar mais debilitada. É uma pena que eu já esteja rematando meus últimos devaneios. 

Bom, devo me retirar ágora. Finalizei a última garrafa. É o suficiente.

9 gota(s) de chuva:

César Fernández disse...

pressinto problemas com alcoolismo

Mr. Ziggy disse...

O César tratou de algo que passou pelos meus pensamentos enquanto te lia. Vigie para que não caia. Rs!
Abraço!

Iara disse...

Oi,
Vc sabe que eu não gosto de cometar nada mas... Aqui estou eu de novo...
Saiba... O que vc sente e está sentindo ainda não foi nomeado, mas muitas pessoas, inclusive eu já senti e vivo sentindo isso. Esse sentimento não é privilégio seu... Muitas pessoas apaixonadas e ex-apaixonadas já sentiram isso... Umas com mais intensidade e outras com menos intensidade... Mas ainda assim já sentiram...
Esse sentimento não nomeado ou talvez nomeado de amor, tem o seu lado lindo e seu lado mais obscuro, por isso se tiver que escolher um dos lados escolha o primeiro. Se não puder ficar com o lado lindo, então deixe isso de lado... Não vale a pena ficar com o outro modo...
Que vc escreve super bem, vc sabe e eu nem preciso dizer, então:
Sucesso, Boa Sorte e Beijos,
Iara.

Alex Pitta disse...

Ainda nos traimos a tentar, em vão, limitar em tintas sentimenos. Talvez nem a tinta que corre nossas veias consiga aclarar a voz da alma. Eis a nossa eterna, e reconfortante, ilusão.

Flor disse...

huahuhahauhuahuhauhauhuhhauhahauha
que bom que você pode cambalear até em casa, assim, de boua!
auahuahuahuahhauhaha
Porque eu só me lasco! auhauahua
=)
Eu gostei muito desse post, ficou meio que subentendido, ou não, eu gostei muito.


Beijo (muito) Grande.

Carolina respira-me disse...

Casmurro, gostei muito.
Tudo fica embaçado, mas logo arrumamos um par de óculos e desembaça rápido.
Por mais que pareça que a saída não existe, ela existe. A saída só você acha. E não fique na ganância de se conformar, não se conforme! E não espere tanto, faça por você.

E quando for beber, bebe mais um pouco junto com alguns colegas e cambaleia pela rua sentindo o gosto apetitoso que a liberdade tem.

seja o que for, tudo vai passar! e mesmo se não passar, você passará por ela.

Beeijos :*

Syn (apses) disse...

Iara disse uma grande verdade. Esse desejo de explicar e externar o que se sente é, infelizmente, mais frequente do que eu gostaria que fosse,tanto em mim quanto nos outros.

E não se deixe corroer por dentro.

Abraços!

Kari disse...

Que lindas palavras!
E não! Definitivamente não fazem os teus leitores perderem tempo... Fazem-nos divagar...

Sempre que te imagino escrevendo, imagino uma garrfa de cerveja ou vinho... heheheheh

Beijão pra tu

B disse...

Tem dois bares no teu condominio? o_O ahauhau